top of page
Buscar
  • Foto do escritorKultua LTDA

Cultura tóxica: 5 sinais para identificá-la

Atualizado: 27 de mar.

Saiba como mapear possíveis indicadores dessa atmosfera nociva

por Lívia Brandini*



Para uma empresa ter um ambiente saudável, produtivo e inclusivo, primeiramente, o ideal é diagnosticar a cultura que está instalada e analisar os preceitos da cultura desejada para entender se há convergência entre as duas. Assim, é possível tomar decisões de reparação dos problemas de forma rápida e clara.


A partir dos diagnósticos de cultura em profundidade, que levam em consideração o olhar dos colaboradores frente às empresas, elas conseguem mapear e identificar possíveis indicadores de uma cultura tóxica. São eles: funcionários com problemas de performance, desentendimentos recorrentes entre grupos internamente, competição excessiva e baixa autoestima. Tudo isso prejudica a saúde mental dos colaboradores a médio e longo prazo.

Dessa forma, mesmo em um cenário de recessão econômica e desemprego, os trabalhadores brasileiros não hesitam em pedir demissão. Dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados, do IBGE, revelam que aumentou o número de demissões voluntárias em 2022: no mês de janeiro foram 554.191; já em fevereiro, mais de 560 mil. E o mês de março bateu um recorde: foram 603.136 demissões.

Para evitar o cenário e melhorar o “clima” dentro da sua empresa, quero mostrar aqui 5 fatores de alerta:


1) Turnover elevado

Muitas demissões voluntárias e contratações em um curto espaço de tempo, entre semanas e meses, significam mais atenção, primeiro, aos motivos e fatores para tal. Para reduzir as chances de isso acontecer, é importante sempre estimular e acompanhar o processo evolutivo desses colaboradores.

Conforme a pesquisa global Hopes and Fears 2022, da rede PwC, 93% dos participantes brasileiros estão conversando sobre temas sociais sensíveis no ambiente de trabalho, querendo mais apoio para incorporar questões de governança ambiental, social e corporativa (ESG).


2) Silêncio e pouca interação

O diálogo e a transparência no ambiente de trabalho são essenciais para a melhoria, rendimento e produtividade dos funcionários. Quando notar que um colaborador pouco fala em reuniões ou até mesmo em uma conversa particular, é necessário quebrar esse “ciclo de silêncio”, motivá-lo e encorajá-lo a dar opiniões, explicando que ele contribui para a empresa com seus apontamentos.


3) Pouco debate de ideias

Ainda no mesmo cerne do tópico anterior, a falta de discussões saudáveis no ambiente corporativo é preocupante. Demonstra desinteresse, apatia e distanciamento das questões da empresa por parte dos colaboradores. Por isso, reuniões mais dinâmicas e periódicas para interação interpessoal precisam estar como prioridade da liderança.


4) Comportamentos preconceituosos

Reclamações recorrentes de piadas e assédios (moral e sexual) – alerta vermelhíssimo. Ter diversidade em uma empresa, além de promover a inclusão dos grupos minorizados como negros, mulheres, pessoas LGBTQIA+ e pessoas com deficiência (PCD), minimiza e evita comportamentos preconceituosos de colaboradores que não fazem parte desses grupos.


5) Muita fofoca e competição

Falta de interação e de união entre os colaboradores gera fofoca e as famigeradas “panelinhas”, o que acaba também refletindo em competição por resultados individuais ou em benefício de apenas pequenos grupos. O ideal é sempre proporcionar a convivência e sentimento de colaboração entre todos os funcionários.

* Lívia Brandini é fundadora e CEO da Kultua.


37 visualizações0 comentário

Comments


bottom of page